• Seja bem vindo!

    Somos a Redesol

    Acreditamos que o desenvolvimento dos empreendimentos deve ter por lógica o desenvolvimento das pessoas e da sociedade a partir da Solidariedade, Sustentabilidade, Dignidade e da Democracia. [...]

  • Quem somos?

    A REDESOL MG – Central Cooperativa Rede Solidária de Trabalhadores de Materiais Recicláveis de MG reúne cooperativas e associações de catadores de materiais recicláveis em uma melhor condição de organização, qualidade no trabalho e justiça social. [...]

  • Nosso trabalho.

    A REDESOL MG tem o papel de unir suas filiadas para melhorar o desempenho desta em todas as áreas de atuação, procurando assim garantir-lhes desenvolvimento social, econômico, solidário, seguro e sustentável ao longo dos tempos. A partir da articulação em rede os empreendimentos tem apoio na comercialização de materiais recicláveis, melhoramento organizativo e tecnológico da produção, coleta, triagem, beneficiamento e transporte. [...]

Transformando lixo em cidadania.

12 de junho de 2018

Manual Redesol MG: suspensão de PIS/Pasep e Confins, com base na lei fiscal Nº 11.196/05


Este manual, produzido pelo corpo técnico da Cooperativa Central Rede Solidária dos Trabalhadores de Materiais Recicláveis de Minas Gerais (Redesol MG), visa orientar ao administrador de empreendimento de catadores o passo a passo para alterar o cadastro de materiais para, posteriormente, gerar nota fiscal de venda para empresas que optam pelo regime tributário Lucro Real.

De acordo com o artigo 48 da Lei Fiscal Nº 11.196/05, ao comercializar os materiais listados pela redação oficial, a contribuição para o PIS/Pasep e Cofins fica suspensa quando for realizada para pessoa jurídica que apure o imposto de renda com base no lucro real. As cooperativas de catadores, que vendem boa parte desses materiais recicláveis, podem utilizar desse recurso fiscal para melhorar a renda do catador.

Os materiais citados pela lei são: desperdícios, resíduos e aparas de plástico, de papel ou cartão, de vidro, de ferro ou aço, de cobre, de níquel, de alumínio, de chumbo, de zinco e de estanho.

Clique aqui para baixar.

22 de maio de 2018

Fórum Lixo e Cidadania: catadores da Acamares expõem insatisfação com prefeitura de Sarzedo

Foto: Diego Cota/Redesol MG

Construir um espaço democrático para discutir a situação da gestão dos resíduos sólidos e buscar soluções conjuntas para enfrentar os problemas. Com esse objetivo, a Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Sarzedo (Acamares), filiada da Cooperativa Central Rede Solidária dos Trabalhadores de Materiais Recicláveis de Minas Gerais (Redesol MG), promoveu o Fórum Regional Lixo e Cidadania de Sarzedo e Mário Campos, na sexta-feira (18/05), no Centro de Referência da Pessoa Idosa de Sarzedo.

Em sua segunda edição, foi colocado aos participantes o descontentamento dos trabalhadores da associação com a falta de compromisso do executivo sarzedense em atender demandas básicas para realização do serviço. “Somos uma das melhores cidades da região metropolitana, mas isso não reflete no trabalho dos catadores. É uma vergonha para o município de Sarzedo”, disse a presidente da Acamares, Marli Beraldo.

“A gente espera uma efetivação da política pública, a gestão dos resíduos sólidos, que hoje não é consolidada no município”, apontou. No início do ano, foi implantada a coleta seletiva municipal, que, a princípio, disponibiliza o serviço nos prédios públicos e para o comércio. Segundo a catadora da Acamares, Ludmila Rodrigues da Silva, esse fato não trouxe mudança para o empreendimento.

Ela revela que, desde então, o material no galpão está pouco. Além disso, parte do que recebem junto com o reciclável são inapropriados para comercialização. “A expectativa era que melhorasse a quantidade de material depois da implantação da coleta, mas não foi isso que aconteceu. Tem muitos que já desanimaram, porque a renda que tiramos lá não dá para manter uma família”, explicou Ludmila.

Além de a situação ser negativa para a geração de renda, Marli releva que o fato influencia no trabalho como um todo. Nesse momento, a associação aguarda o cumprimento, por parte da prefeitura, de um convênio. “A coleta ainda não impactou na renda. A gente está esperando uma resolução da parceria de fomento entre prefeitura e Acamares, que visa a mudança para um galpão que dê estrutura de trabalho com dignidade”, disse.

Foto: Diego Cota/Redesol MG

A presidente da Redesol MG, Ivaneide da Silva Souza, cobrou do município, representado pelo secretário de meio ambiente, a garantia de uma remuneração digna ao grupo, já que o volume recebido por meio da coleta seletiva municipal não é suficiente para alcançar uma renda justa. “Vemos muitas pessoas boas na associação que acreditam nesse negócio, mas que infelizmente, por questão de sobrevivência, são obrigadas a sair”, lamentou.

“A gente vem buscando a contratação dos catadores. É uma pauta que tem avançado nos municípios da região metropolitana. É importante porque temos dificuldades de garantir uma renda mínima, de cerca de um salário mínimo, com o volume de material nos galpões. Nosso objetivo é encontrar caminhos para melhorar a qualidade de vida dos catadores”, completou Ivaneide.

Foto: Diego Cota/Redesol MG

O fórum contou com a presença dos catadores da Acamares, comunidade local, Redesol MG, Programa Novo Ciclo, ONG Natureza Viva, vereadores locais, representantes das prefeituras de Sarzedo, Mário Campos e Ibirité. Houve apresentação do grupo da terceira idade do Centro de Referência da Pessoa Idosa, que descontraiu o público.

Investir na coleta seletiva beneficia o município


A coleta seletiva, aliado ao trabalho dos catadores, se torna cada vez mais um serviço essencial. O bom diálogo entre as partes, prefeitura e trabalhador, tem a capacidade de proporcionar avanços necessários na busca pelo desenvolvimento sustentável. Entretanto, antes de pensar no fim positivo proporcionado pela atividade, é preciso valorizar os catadores, por meio da inclusão produtiva.

Durante o fórum, o diretor do Departamento de Projetos Ambientais da Prefeitura de Ibirité, Gilvando Elen de Oliveira, contou um pouco da experiência positiva da cidade vizinha, aliado ao tratamento digno. “Com o apoio financeiro da gestão municipal, o catador tem o suporte que vai animar ele a executar o trabalho. Tendo as despesas garantidas pelo município, sobra só o papel de fazer a triagem para retirar sua renda”, disse.

Foto: Diego Cota/Redesol MG

Além do cuidado ambiental com os resíduos sólidos, que é de responsabilidade do município garantir à população, investir em práticas sustentáveis trazem benefícios para as contas públicas, como destacou Gilvando. “Esse trabalho evita que muitas toneladas de materiais sejam enterradas nos aterros. O executivo acaba economizando ao fazer o serviço de coleta seletiva”, revelou.

Para o integrante da ONG Natureza Viva, Washington Alves dos Santos, o caso de Sarzedo é problemático, porque a cidade tem uma das maiores rendas per capita da região, mas não investe no serviço. Com essa situação, ele aponta a necessidade de exigir constantemente uma atuação favorável da prefeitura. “Não faz sentido não investir na coleta seletiva. Acredito que o desafio seja enorme, pois é preciso pressionar o poder público por meio de redes de entidades articuladas”, disse.

Foto: Diego Cota/Redesol MG

Foto: Diego Cota/Redesol MG

11 de maio de 2018

Redesol MG é exemplo para formalização de grupo de catadores em Bom Jesus do Amparo

Destinação correta dos resíduos é interesse unânime na cidade (Foto: Diego Cota/Redesol MG)

O trabalho desempenhado pelos catadores filiados à Cooperativa Central Rede Solidária dos Trabalhadores de Materiais Recicláveis de Minas Gerais (Redesol MG) é a referência do setor na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Diante disso, a rede desenvolve o papel de mediadora no diálogo dos catadores de Bom Jesus do Amparo com o executivo municipal, no objetivo de formalizar um empreendimento solidário na cidade e contribuir na implantação da coleta seletiva.

Em reunião realizada na quinta-feira (26/04), na Câmara Municipal da cidade, que contou com a presença da Redesol MG, Programa Novo Ciclo, catadores do município, representantes do executivo e legislativo, foram discutidos os anseios dos trabalhadores com relação à formalização do grupo, bem como o apoio da prefeitura nesse processo. A proposta do executivo visa se adequar à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), Lei 12.305/10.

O grupo de Bom Jesus do Amparo é formado por quatro catadores que trabalham informalmente no lixão da cidade, separando o material reciclável em meio ao lixo produzido. Segundo o catador e presidente da Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Nova União (Unicicla), Anderson Viana, o associativismo pode contribuir na melhoria das condições de trabalho. “Formalizar o grupo vai ajudá-los a avançarem”, disse.

Para a presidente da Redesol MG, Ivaneide da Silva Souza, a formalização deve vir acompanhada da definição de um local de trabalho para que a cidade possa evoluir. “É necessário um local certo para os catadores. Para fazer a mobilização, deve ter a perspectiva de um galpão, seja próprio ou alugado. O diálogo entre executivo e legislativo deve ser logo para definir a questão desses trabalhadores”, sugeriu.

O prefeito Dário Ferreira Motta revelou que existe um planejamento para construção de um galpão para o serviço de triagem de materiais recicláveis, que serão recolhidos principalmente pela coleta seletiva que o município quer instituir. “Pretendemos construí-lo no mesmo espaço que os catadores estão, que é em uma área que possui cerca de três hectares. Com relação a isso, não vejo dificuldade nenhuma”, pontuou.

De acordo com o secretário de Agricultura, Pecuária e Meio Ambiente, Adílson José Eduardo, um passo já foi dado ao descarte legal dos resíduos e que há interesse da prefeitura em investir nos catadores. “Para a destinação, o contrato já está assinado com o Aterro Sanitário de Macaúbas, em Sabará. Quanto a reciclagem, a prefeitura tem vontade de fazer acontecer. Todo apoio que precisar, a gente vai ter”, explicou.

Redesol MG é parceira na formalização do grupo de catadores (Foto: Diego Cota/Redesol MG)

Cidade busca se adequar à lei nacional


Bom Jesus do Amparo, distante 67 quilômetros de Belo Horizonte, encontra-se atrasada em sua gestão dos resíduos produzidos pela população. Ela faz parte do grupo das que ainda possuem lixão, situação irregular de acordo com a PNRS. O objetivo é erradicar com a prática de descarte ilegal e recuperar a área, que também é utilizada pelos catadores.

Assessor técnico da Redesol MG no Programa Novo Ciclo, Lélis Fonseca destacou o empenho das pessoas envolvidas na causa. “Esse anseio está alinhado, porque grande parte dos vereadores está interessada em um problema que é social e econômico, então essa proposta é uma solução. A coleta seletiva proporciona um ganho social e ambiental para as cidades com a separação dos resíduos sólidos e com a inclusão dos catadores”, afirmou.

7 de maio de 2018

Ação em Taquaraçu de Minas chama atenção para necessidade da coleta seletiva

Foto: Diego Cota/Redesol MG

Iniciativa teve Unicicla como parceira e contou com apoio da Redesol MG e Programa Novo Ciclo

Taquaraçu de Minas, cidade pacata distante cerca de 60 quilômetros da capital Belo Horizonte. Mesmo com a proximidade, a tranquilidade remete ao interior distante do grande centro. A margem do rio que dá nome ao município, está uma população que no sábado (28/04) resolveu fazer diferente em prol de uma causa essencial para o desenvolvimento sustentável.

Mobilizados pela iniciativa Jogue Limpo com Taquaraçu, os moradores separaram os resíduos recicláveis para a coleta seletiva porta a porta, realizada pela ONG Taquaraçu Ecotur. A ação contou com parceria da Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Nova União (Unicicla), filiada da Cooperativa Central Rede Solidária dos Trabalhadores de Materiais Recicláveis de Minas Gerais (Redesol MG).

Segundo o idealizador e diretor da ONG, Jânio de Lima Marques, o objetivo é chamar a atenção para a gestão dos resíduos da cidade. “A nossa intenção é provocar os órgãos públicos para implantação da coleta seletiva no município e também fazer uma parceria para a Unicicla receber o material recolhido. Para aquele que não for reciclável, que a prefeitura faça um contrato para enviar a um aterro e por fim no lixão da cidade”, explicou.

Os catadores, juntamente com o caminhão da coleta promovida pela ONG, percorreram as ruas do município recolhendo o material separado. Um carro de som que seguia logo na frente chamava a atenção da população alertando que “reciclar, é preciso reciclar”. Segundo o diretor da Unicicla, Anderson Viana, foi coletada por volta de uma tonelada e meia de recicláveis como papelão, plástico, papel, vidro, pneus etc.

Material recolhido foi levado para o galpão da Unicicla, em Nova União (Foto: Diego Cota/Redesol MG)

Além de promover um ganho para Taquaraçu de Minas, a atividade gerou impacto positivo para a Unicicla. “Aumentou a quantidade de reciclável no galpão e agregou para antecipar o fechamento de uma carga. Foi muito bom para os catadores. O material foi todo triado e prensado logo na segunda-feira”, contou Anderson.

“A comunidade abraçou a causa e está pedindo uma nova ação. Tanto que já tem moradores separando para um próximo mutirão. Outra coleta está sendo programada pela ONG. A Unicicla se propõe a dialogar com o poder público do município, juntamente com as entidades locais, empresas e sociedade, com o objetivo de implantar a coleta seletiva de fato na cidade”, revelou.

Segundo o idealizador Jânio de Lima Marques, uma das atividades realizadas pela ONG mostrou a necessidade da coleta seletiva. “A gente já vem fazendo um trabalho de limpeza da margem do rio, retirando o lixo, só que vimos que precisamos ampliar para a cidade, porque ela está muito suja e é importante, pois visamos a implantação da coleta seletiva no município, porque gera renda e ajuda a preservar o meio ambiente”, contou.

Foto: Diego Cota/Redesol MG

O trabalho de mobilização envolveu as redes sociais e também a conversa direta com a população. Foram distribuídos panfletos de porta em porta e na rua, onde foi explicada a importância do projeto. Segundo a integrante da Taquaraçu Ecotur, Jéssica dos Santos, “o pessoal sente falta do serviço. A receptividade foi boa, muita gente quer ajudar e está sendo conscientizado”, avaliou.

A ação Jogue Limpo com Taquaraçu contou com apoio da Redesol MG e do Programa Novo Ciclo.

Situação da cidade


Além da inexistência do serviço de coleta seletiva, a destinação dos resíduos é irregular, de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), instituída pela Lei nº 12.305/10. O caminhão que faz a coleta rotineiramente despeja ao lixo em um lixão irregular, onde é incinerado. A área fica a poucos quilômetros do perímetro urbano. De qualquer ponto da cidade é possível ver a fumaça que sobe entre a mata que circunda o município.

O Plano Nacional de Resíduos Sólidos, que contém uma série de medidas que devem ser seguidas com o objetivo de atender o artigo 15º da PNRS, determinou um prazo de quatro anos, de 2010 a 2014, para que as prefeituras regularizassem a destinação dos resíduos produzidos. Essa regulação se daria principalmente por meio do fechamento dos lixões. Desde 2014, a existência desses locais, no Brasil, é um crime ambiental passível de pena.

8 de abril de 2018

Conheça o Projeto Cuidar: iniciativa fomentou atenção à saúde dos catadores da Redesol MG

Diálogo com catadoras e catadores foi base do diagnóstico realizado (Foto: Divulgação/Unicicla)

Estabelecer o cuidado prévio com a saúde é fundamental para uma vida saudável, mas, em alguns casos, a falta de acesso e de informação é um empecilho para mantê-lo em dia. Em 7 de abril é comemorado o Dia Mundial da Saúde e neste ano a temática é “Saúde universal: para todos, em todos os lugares”, direito do cidadão reconhecido na Constituição da Organização Mundial da Saúde (OMS), desde 1946.

A Cooperativa Central Rede Solidária dos Trabalhadores de Materiais Recicláveis de Minas Gerais (Redesol MG) conta ao leitor sobre a iniciativa Projeto Cuidar, desenvolvida pela rede global WIEGO (Mulheres no Emprego Informal: Globalizando e Organizando) em alguns dos empreendimentos filiados, em 2017, com o objetivo de diagnosticar a saúde ocupacional dos catadores.

O projeto teve como objetivo analisar a saúde, os riscos e problemas enfrentados no local de trabalho e como os trabalhadores lidam com eles. Serviu como um processo de levantamento de informações e um momento de reflexão coletiva, por meio da troca de informações entre os cooperados e equipe.

De acordo com a presidente da Redesol MG e da Comunidade Associada para Reciclagem de Materiais da Região da Pampulha (Comarp), Ivaneide da Silva Souza, a iniciativa conseguiu cativar os participantes. “Eu percebi o envolvimento deles, participando e gostando. Inicialmente achei que o projeto teria muitas dificuldades com a contribuição dos cooperados, mas percebemos que eles estão preocupados com a saúde e em melhorar a forma de trabalho”, revelou.

A atividade desenvolvida pelos trabalhadores com materiais recicláveis, seja catador de rua ou de empreendimentos de triagem, requer esforço constante. Se realizado de forma que não contempla a ergonomia, de médio a longo prazo o corpo vai sofrer consequências, como dores e desconfortos. Esse foi um dos pontos abordados pela equipe do projeto no diagnóstico.

A participação na iniciativa proporcionou algo inédito para a catadora da Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Nova União (Unicicla), Alaíde Soares. “Achei legal, porque foi a primeira vez que alguém nos deu esse tipo de atenção. Eu não tinha conhecimentos dos riscos que eu poderia correr no local de trabalho”, contou.

Equipe do projeto com as catadoras da Ascar, de Raposos (Foto: Reprodução)

Para a catadora da Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Raposos (Ascar), Maria de Fátima Silva, a participação fomentou o desejo de se dedicar mais às questões envolvendo a saúde. “Essa iniciativa muda nosso senso de segurança no dia a dia. Dá mais tranquilidade, porque a atenção com a saúde passa a ser algo contínuo”, disse.

Segundo o Diretor Geral da Unicicla, Anderson Viana, os associados aprovaram o projeto. “Para nós é importante porque fez um diagnóstico de toda a situação e condições de saúde da associação. Eles se sentiram acolhidos. Foi um avanço para o empreendimento”, disse.

O Projeto Cuidar

Resultados foram apresentados durante realização do IV Encare, em 2017 (Foto: Diego Cota/Redesol MG)

A iniciativa foi desenvolvida pelas coordenadoras Sonia Dias e Ana Carolina Ogando, e pelas pesquisadoras Fabiana Goulart e Juliana Gonçalves. Ela surgiu em 2012 do grupo de discussão das mulheres que participavam do Projeto Gênero e Lixo, parceria entre a WIEGO, Instituto Nenuca de Desenvolvimento Sustentável (Insea), Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR) e Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre a Mulher (NEPEM), da UFMG, com o intuito de abordar a saúde da mulher.

Segundo as coordenadoras, a demanda pela atenção à saúde dos catadores surgiu durante a participação em encontros da Redesol MG. Interesse esse que é comum com os objetivos dos programas de Proteção Social e Políticas Urbanas da WIEGO, que visa diagnosticar os desafios e riscos de saúde que catadoras e outras trabalhadoras informais enfrentam no mundo.

25 de março de 2018

Mês das mulheres: a catadora faz toda a diferença na Redesol MG

Mulheres catadoras são maioria nos empreendimentos filiados (Foto: Diego Cota/Redesol MG)

A Cooperativa Central Rede Solidária dos Trabalhadores de Materiais Recicláveis de Minas Gerais (Redesol MG) é uma entidade consolidada na cadeia produtiva da reciclagem. Constituída e liderada majoritariamente pela força feminina, a história da rede é cheia de exemplos de mulheres catadoras fortes, que se empoderam e garantem autonomia, por meio do trabalho realizado.

Em 8 de março, comemora-se o Dia Internacional da Mulher. A data foi instituída em referência à luta por melhores condições de vida e trabalho. Luta que é constante para as catadoras, como relata a Presidente da Redesol MG, Ivaneide da Silva Souza. “Ter um dia da mulher é especial para refletirmos sobre nós, mas o desafio é diário. Ficamos felizes por ter conseguido avançar ao longo dos anos”, disse.

Para Ivaneide, entre as questões cotidianas está a de passar a ideia de igualdade de gênero no ambiente profissional. “Tem o entendimento de muitos homens machistas de que são eles que têm mais conhecimento e que apenas eles dão conta de liderar. Trabalhar esse assunto para que a gente tenha um grupo homogêneo, independente de lidar com mulheres ou homens, é um grande desafio nesse universo da catação”, revelou.

A Presidente e catadora da Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Sarzedo (Acamares), Marli Beraldo, usa a palavra resiliência para definir o trabalho da mulher catadora. Neste contexto, significa que é a capacidade de lidar com os problemas que surgem, sem ceder às pressões. “Nós tiramos da rua o sustento e somos a cara do povo brasileiro. Dentro da realidade de ser mulher na catação, eu acho que a atividade exige essa resiliência”, afirmou.

Foto: Diego Cota/Redesol MG

Outro aspecto importante é a habilidade de lidar com situações distintas em um mesmo intervalo de tempo, que, segundo Marli, é marcante da mulher, pois por vezes concilia rotina profissional, maternidade, entre outras atividades. “O olhar difuso é uma característica muito feminina, só a mulher dá conta de fazer três coisas ao mesmo tempo”, disse.

Intervenção nas ruas de Sarzedo marcou o Dia da Mulher da Acamares

Foto: Divulgação/Acamares

Na quinta-feira (8/03), as catadoras da Acamares foram às ruas da cidade, localizada na Grande BH, para conscientizar a população sobre a desigualdade de gênero existente.

Rosas foram distribuídas em meio às conversas sobre os desafios enfrentados pela mulher catadora. O momento contou com apoiadores da associação e foi propício para divulgar a coleta seletiva e explicar como esse serviço reflete na inclusão dos catadores.

“Nós entregamos rosas, mas não foi para comemorar, foi de lamento pela violência contra a mulher, pela falta de oportunidade no mercado de trabalho, principalmente para as mulheres negras e pobres. Dialogamos sobre esses problemas para as mulheres catadoras”, contou Marli Beraldo.

23 de março de 2018

Cooperativas da Redesol MG realizam mutirão solidário, em Sabará

Ação reforçou a solidariedade entre as filiadas (Foto: Diego Cota/Redesol MG)
Cooperação e união estiveram presentes nos sábados (17/02, 24/02 e 17/03), que foram de muito trabalho para os cooperados da Cooperativa Central Rede Solidária dos Trabalhadores de Materiais Recicláveis de Minas Gerais (Redesol MG). Catadores de quatro empreendimentos concentraram os esforços em um mutirão na Associação Mãos Amigas dos Trabalhadores com Material Reciclável da Comunidade de Maquiné, de Sabará.

Nos últimos meses, a quantidade de material reciclável, proveniente da coleta seletiva municipal, acumulou no galpão, tornando necessário o auxílio da força de trabalho em rede. Contribuíram os catadores da Comarp, Coopemar e Coopersoli, de Belo Horizonte, e da Acamares, de Sarzedo.

A catadora da Associação Mãos Amigas, Genessi Ferreira, relembrou a luta histórica da entidade e aprovou a ação em rede. “O espaço foi conseguido com muito esforço. Desde que entramos na Redesol, em 2013, que corremos atrás. Esse trabalho de mobilização começou na rede e vai ser o primeiro de muitos que estão por vir”, disse.
Antes do trabalho, o grupo planejava os objetivos da atividade (Foto: Diego Cota/Redesol MG)

A atividade integra as ações do Programa Novo Ciclo, que está em execução na rede. A iniciativa visa auxiliar os empreendimentos na logística de produção e na negociação direta com a indústria.

Importância do empreendimento para avanço da Redesol


Localizado no Aterro Sanitário de Macaúbas, a Associação Mãos Amigas está a poucos minutos de um dos principais corredores de escoamento de cargas do estado, a BR-381. Esse fato torna a localização estratégica para futuras comercializações.

Para a rede, a região é importante, porque o “Corredor 381” engloba também a Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Nova União (Unicicla) e a Associação dos Gestores/Catadores Ambientais de Caeté (Agea). 

De acordo com assessor técnico da Redesol, pelo Programa Novo Ciclo, Lélis Fonseca, a dimensão do galpão de Sabará é um fator relevante para os objetivos traçados. “O espaço disponível tem potencial para estocar grande quantidade de material, facilitando assim a venda direta”, apontou.

Galpão da associação após segundo dia de mutirão (Foto: Diego Cota/Redesol MG)

18 de março de 2018

Fórum Lixo e Cidadania de Nova União discute contratação dos catadores da Unicicla

Fórum, iniciado em setembro de 2016, pauta o diálogo sobre os resíduos sólidos (Foto: Diego Cota/Redesol MG)
A Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Nova União (Unicicla), que integra a Cooperativa Central Rede Solidária dos Trabalhadores de Materiais Recicláveis de Minas Gerais (Redesol MG), promoveu o Fórum Municipal Lixo e Cidadania de Nova União, na quinta-feira (15/03), na Câmara Municipal da cidade, localizada na Grande BH. O encontro foi realizado em parceria com o Centro de Referência em Assistência Social (Cras) e debateu sobre a garantia dos direitos dos catadores e as formas legais para contratação pelo serviço prestado ao município.

A ocasião contou com a presença do promotor de justiça da Coordenadoria de Inclusão e Mobilização Social do Ministério Público de Minas Gerais (Cimos/MPMG), André Sperling. Durante sua fala, ele esclareceu sobre os meios legais para promover a inclusão dos catadores, como garante a Lei nº 12.305/10, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

Segundo o promotor, a contratação dos catadores pode acontecer de forma imediata, a partir do momento em que o município dispor de recursos. Para realizar esse processo, o artigo 36 da PNRS dispensa a necessidade de licitação e designa que o gestor público deve priorizar cooperativas e associações de trabalhadores da reciclagem.

“Dentro da lei federal, o caminho que Nova União está seguindo é correto, pois a Unicicla tem o direito de receber pelo serviço público que ela presta. De acordo com a política, as associações e cooperativas, formadas por catadores de baixa renda, devem ser priorizadas no recebimento dos resíduos sólidos recicláveis e também devem ser contratados para prestação do serviço”, disse.

Presença da Cimos/MPMG esclareceu dúvidas sobre a contratação dos catadores (Foto: Diego Cota/Redesol MG)

Na última semana, a associação entregou ao município o plano de trabalho junto com os documentos necessários para fortalecer a parceria visando garantir direitos aos catadores. De acordo com prefeito de Nova União, Ailton Guimarães Rosa, há uma necessidade de desenvolver a coleta seletiva municipal para aumentar a capacidade produtiva do empreendimento.

“Vamos aprimorar o programa de coleta seletiva e implantar ecopontos em comunidades distantes. As ações visam elevar o volume de material reciclável na associação e diminuir no montante que é destinado ao aterro sanitário de Sabará. O fórum une todos os elementos da sociedade em busca de um objetivo comum na condução dos resíduos do município”, avaliou.

O diretor da Unicicla, Anderson Viana, destacou a evolução das discussões sobre a gestão dos resíduos após a implantação do fórum, em setembro de 2016. Segundo ele, além dos avanços práticos, proporcionar um espaço que une os atores sociais da cidade é gratificante. “Foi uma construção até chegar nesse momento de ter o reconhecimento do trabalho. Ficamos felizes por ter um gestor público que cumpre o que determina e também pelo reconhecimento dos vereadores e da comunidade”, disse.

O Fórum reuniu executivo municipal, catadores da Unicicla, representantes da Redesol MG, Programa Novo Ciclo, Prefeitura de Barão de Cocais, Centro Mineiro de Referência em Resíduos, Ministério Público de Minas Gerais, entidades da cidade e de municípios vizinhos, além da comunidade local.

Sustentabilidade passa pela gestão dos resíduos sólidos


A discussão da valorização do trabalho realizado pela reciclagem está associada à proposta de desenvolvimento sustentável. Para o secretário de Meio Ambiente e de Limpeza Urbana de Barão de Cocais, Rogério Vidal Bastos, o trabalho realizado pelos catadores é necessário para amenizar a degradação ambiental e reduzir a carga que é destinada aos aterros.

“Levar grande parte dos resíduos das cidades para aterros sanitários é pagar para enterrar dinheiro. Atualmente, não é a melhor saída para o meio ambiente. Antes foi adequado para uma situação trágica que o país vivia em relação aos lixões. A opção para diminuir o impacto ambiental é por meio do trabalho dos catadores da reciclagem”, afirmou.

Já a diretora do Centro Mineiro de Referência em Resíduos (CMRR), Ângela Rosane de Oliveira, destacou a importância da implantação de planos municipais de resíduos sólidos. “O plano é o guia que permite fazer o diagnóstico do lixo da cidade. Ele tem que apontar caminhos para envolver a cidade, por meio da educação ambiental, mobilização social e formas de divulgação. É uma série de diretrizes, um guia para seguir”, explicou.

A fala da diretora foi ao encontro com o anseio do morador do assentamento Ho Chi Minh de Nova União, Antônio Ribeiro. Segundo ele, a conscientização da população deve ser priorizada. “É importante que o município pense mecanismos para estimular a comunidade para fazer a separação do reciclável. O meio ambiente agradece e a comunidade fica satisfeita”, disse.

Juventude engajada na causa sustentável


Durante a realização do fórum, quatro adolescentes, da comunidade de Altamira, entregaram ao prefeito um abaixo-assinado solicitando a inclusão da localidade no programa de coleta seletiva de Nova União. O grupo concorre ao Prêmio Jovem Empreendedor Social, promovido na cidade, com a proposta de implantação de muros inteligentes para incluir a prática da separação dos resíduos nas comunidades.
Jovens mobilizaram comunidade de Altamira pela implantação da coleta seletiva (Foto: Diego Cota/Redesol MG)

Exposição de arte da Acamares

Exposição foi elogiada durante realização do fórum (Foto: Diego Cota/Redesol MG)
Quem acompanhou o fórum teve a oportunidade de conferir o trabalho artesanal produzido pela Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Sarzedo (Acamares). As peças confeccionadas pelo coordenador de Arte Sustentável, Jair Prates, por meio da reutilização de materiais recicláveis, foram expostas na Câmara Municipal de Nova União e chamou atenção de quem passou pelo local.

Para acompanhar as informações da Redesol MG, curta nossa página no Facebook.

28 de fevereiro de 2018

Educação ambiental: Acamares promove oficina de arte sustentável, em Sarzedo

Imagem: Divulgação
A Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Sarzedo (Acamares), integrante da Cooperativa Central Rede Solidária dos Trabalhadores de Materiais Recicláveis de Minas Gerais (Redesol MG), aposta na conscientização da população para o avanço da coleta seletiva recém-implantada na cidade.

Diante disso, o empreendimento promove, a partir do próximo sábado (3/03), a Oficina de Arte Sustentável, destinada ao público infantil, de 6 a 12 anos. Serão formadas duas turmas, totalizando 40 vagas. A atividade conta com apoio da Tetra Pak, da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), e da Prefeitura de Sarzedo.

Para o artesanato serão utilizadas embalagens Tetra Pak, garrafas pet, latinha e outros materiais. Segundo o coordenador de Arte Sustentável da Acamares, Jair Prates, além de ensinar boas práticas às crianças, a oficina vai oferecer um momento de descontração. “Elas aprenderão a fazer uma peça importante para a reciclagem, ouvirão palestras e se divertirão na construção desse dispositivo”, revelou.

Para mais informações, entre em contato, por meio dos números: (31) 3577-8116 e (31) 97158-2682.


Reciclagem e artesanato como fonte de renda


Visando a geração de emprego e renda, a Acamares tem um setor dedicado ao artesanato, o Departamento de Arte Sustentável. Nele, são criadas e produzidas peças utilizando como matéria-prima os materiais recicláveis. Além disso, são feitas reformas de móveis que foram descartados. “Ao longo do tempo tem se visto o artesanato como alternativa de trabalho e terapia ocupacional. Na maioria dos casos, faz parte da historia cultural de um município”, explicou Jair Prates.

“O artesanato sustentável limpa a cidade, dá nova cara ao que foi desprezado, duplica a vida útil de um objeto, e evita que tais itens poluam o meio ambiente. Contribui também para a economia popular, onde pessoas que não podem comprar algo novo, tenham um equivalente por um custo menor”, completou.

Representatividade das peças produzidas


As peças produzidas na Acamares carregam consigo significados únicos. Cada uma delas possui um “projeto preliminar desenhado para um objetivo que pode ser desde uso doméstico à decoração de ambientes, comercial ou residencial”, como destaca o coordenador.
Foto: Diego Cota/Redesol MG

Durante a realização do IV Encontro de Catadores da Redesol MG (Encare), em dezembro, a rede foi presenteada com uma peça representando o sol, feito de espelhos. Segundo Jair, o material representa luz e energia. “São elementos vitais para a vida do planeta”, disse.

Um dos últimos trabalhos, elogiado por sua beleza, nas redes sociais, foi a construção de um sofá, onde 90% do material usado foi proveniente da reciclagem. O objetivo agora é produzir mais unidades para comercializar e assim poder utilizar esse dispositivo como gerador de renda e dignidade.
Foto: Divulgação/Acamares

27 de fevereiro de 2018

Redesol Informa: Fevereiro/2018


Em fevereiro, duas ações reforçaram a responsabilidade social da Cooperativa Central Rede Solidária dos Trabalhadores de Materiais Recicláveis de Minas Gerais (Redesol MG) com o desenvolvimento sustentável.

Na Associação Mãos Amigas dos Trabalhadores com Material Reciclável da Comunidade de Maquiné, em Sábará, aconteceu a primeira atividade em rede, por meio do Programa Novo Ciclo. Leia, no informativo, o exemplo de solidariedade que norteou o mutirão no empreendimento.

Nesta edição, a Redesol conta sobre a iniciativa da Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Sarzedo (Acamares) de levar educação ambiental para crianças de 6 a 12 anos da cidade, por meio do artesanato.

Confira, a seguir, o informativo na íntegra. Para baixar, clique aqui.